Lewis Hamilton critica motoristas e F1 por falta de apoio anti-racismo no GP da Hungria

0
138
Hamilton

Lewis Hamilton criticou seus colegas motoristas e a Fórmula 1 por não fazerem o suficiente para combater o racismo.

Seus comentários vieram após uma segunda corrida consecutiva na qual uma manifestação anti-racismo dos pilotos foi manchada pela confusão e falta de unidade.

O piloto da Mercedes disse: “Definitivamente não há apoio suficiente para isso. Falta liderança.

“Do ponto de vista dos pilotos, muitos parecem ser da opinião de que o fizeram e não o estão fazendo novamente”.

Antes do Grande Prêmio da Hungria de domingo, os motoristas usavam camisetas com uma mensagem anti-racismo, e a maioria se ajoelhou ao lado de Hamilton, empregando um gesto que veio a simbolizar a luta contra o racismo e a oposição à brutalidade policial contra os negros.

Era a terceira corrida consecutiva em que tal manifestação havia sido encenada. Mas vários motoristas se atrasaram e o protesto teve de ser interrompido rapidamente quando o hino nacional começou a tocar.

Hamilton disse: “Em última análise, acho que ainda são indivíduos que pensam que não é importante”.

Ele acrescentou que foi uma “batalha” tentando convencer alguns motoristas da importância da questão e destacou o Romain Grosjean de Haas, dizendo que o francês era um dos que não mostrava apoio suficiente.

Grosjean é um dos três diretores da Associação de Motoristas do Grande Prêmio ao lado do Sebastian Vettel da Ferrari e do ex-diretor Alex Wurz, o presidente.

“O GPDA é dirigido por três pessoas, duas que realmente são a favor e apoiam, e uma que é uma das que tendem a não pensar que é importante continuar com ele.

“Eu tento não me apoiar tanto nos motoristas porque não quero que eles sintam que sou eu quem está fazendo isso, porque isso provavelmente pode ser em alguns casos a razão pela qual eles não querem fazer isso – porque eles pensam que eu estou fazendo isso.

“Mas não acho que esteja sendo levado a sério. Talvez haja pessoas que não cresceram em torno dele, então não o entendem e por causa disso “não me afeta”.

“Já ouvi esses comentários: ‘Não faz nada por mim, então por que eu deveria fazer isso?’

“Mas não se trata de ‘eu’ e não se trata de ‘você’; trata-se desta luta que o mundo, as pessoas lá fora que estão sofrendo discriminação. É por isso que estamos lutando. Estamos lutando por mudanças nas organizações.

“Mas há alguns motoristas que estão em contato comigo e estão como: ‘Ei, eu quero fazer parte disto, o que posso fazer?’

“É fantástico e meu sonho é que até o final do ano todos nós saibamos e compreendamos melhor as coisas e todos nos unamos e toda a F1 está em cima disso”.

Hamilton disse que o protesto aconteceu com muita “pressa” porque não havia tempo suficiente reservado para isso, e disse que falaria sobre isso à F1 e ao órgão dirigente do presidente da FIA, Jean Todt, antes da próxima corrida.

“Vou entrar em contato com a F1 esta semana”, disse Hamilton. “Falarei com Jean porque ninguém mais vai fazer isso”.

A F1 e a FIA anunciaram ambos programas para abordar a questão da falta de diversidade no automobilismo.

Mas Hamilton disse: “Nós não fizemos nenhum progresso”. E depois de elogiar a Mercedes por seus passos na questão, ele criticou as outras equipes por não fazerem o suficiente.

“Dissemos coisas e houve declarações liberadas e fizemos gestos como ajoelhar, mas não mudamos nada”, disse Hamilton. “Exceto, talvez, parte de nossa consciência”.

“Há uma equipe com quem falei que já está trabalhando em segundo plano, mas nenhuma outra equipe que eu conheça que se considere responsável”.

“Mas você precisa de um líder”. Onde está Jean nesse cenário? Não deveria ser para mim ter que chamar as equipes para fora.

“Eu quero encorajá-las, mas não deveria ser eu quem tem que entrar na chamada e dizer: ‘Ei, o que você está fazendo, qual é o seu plano? Isso deve ser anunciado ou discutido de cima para baixo, os poderes que controlam e puxam os cordelinhos”.

Um porta-voz da F1 disse: “Acabar com o racismo e aumentar a diversidade e a inclusão na F1 é uma prioridade clara.

“Definimos nossos planos de diversidade e inclusão em novembro passado e nas últimas semanas anunciamos planos adicionais para criar uma força-tarefa para enfrentar estas questões e uma fundação com mais de US$ 1 milhão já doada para criar aprendizados e oportunidades de trabalho para grupos sub-representados.

“Queremos fazer mudanças duradouras e estamos agindo para fazer isso”.

Deixe uma resposta