A Rússia não poderá usar seu nome e bandeira nas próximas 2 Olimpíadas

0
Bandeira da Rússia nas Olimpíadas

GENEBRA (AP) – A Rússia não poderá usar seu nome, bandeira e hino nos próximos dois Jogos Olímpicos ou em qualquer campeonato mundial durante os próximos dois anos após uma decisão da Corte de Arbitragem para o Esporte, na quinta-feira.

O tribunal de Lausanne reduziu pela metade a proibição de quatro anos proposta no ano passado pela Agência Mundial Antidoping em um caso histórico que acusou a Rússia de adulteração de um banco de dados de laboratórios de testes em Moscou por ordem do Estado. A decisão também bloqueou a Rússia de se candidatar a sediar grandes eventos esportivos por dois anos.

Os atletas e equipes russos ainda poderão competir nos Jogos Olímpicos de Tóquio do próximo ano e nos Jogos de Inverno de 2022 em Pequim, assim como nos campeonatos mundiais, incluindo a Copa do Mundo de 2022 no Qatar, se não estiverem implicados em doping ou encobrir testes positivos.

Uma vitória para a Rússia é o nome proposto para a equipe em grandes eventos. O nome “Rússia” pode ser mantido nos uniformes se as palavras “Atleta Neutro” ou equivalentes como “Equipe Neutra” tiverem a mesma proeminência, disse a corte.

O ônus da prova também foi transferido dos atletas russos e mais para a WADA quando se trata de seu histórico de doping ser vetado para seleção para as Olimpíadas ou outros eventos esportivos.

Os atletas e equipes russos também podem manter as cores da bandeira nacional de vermelho, branco e azul em seus uniformes em grandes eventos. Isso não foi possível para os russos nos dois últimos campeonatos mundiais de pista.

Mesmo com essas concessões, os três juízes da corte impuseram as penalidades mais severas à Rússia desde que surgiram as alegações de doping e encobrimento apoiados pelo Estado após os Jogos Olímpicos de Sochi de 2014.

O presidente da WADA Witold Bańka saudou a decisão do tribunal apesar da proibição ter sido reduzida para dois anos.

“O painel (CAS) confirmou claramente nossas conclusões de que as autoridades russas manipularam de forma descarada e ilegal os dados do Laboratório de Moscou em um esforço para encobrir um esquema institucionalizado de doping”, disse Bańka em uma declaração.

O caso se centrou em acusações de que as agências estatais russas alteraram e apagaram partes do banco de dados antes de entregá-lo aos investigadores do WADA no ano passado. Ele continha provas prováveis para processar as violações de longa data de doping.

O processo CAS foi formalmente entre a WADA e a agência russa antidoping, que se recusou a aceitar a proibição de quatro anos do ano passado. A agência russa, conhecida como Rusada, foi considerada não-conforme no ano passado – uma decisão confirmada na quinta-feira pelos três juízes.

A Rusada também foi condenada a pagar US$ 1,27 milhões à WADA.

A decisão dos juízes de 186 páginas deverá ser publicada nas próximas semanas.

A agência russa pode recorrer das sanções ao Supremo Tribunal Suíço em Lausanne.

Quando uma audiência de quatro dias foi realizada em Lausanne no mês passado, atletas russos e seus advogados participaram como terceiros argumentando que não deveriam ser punidos por má conduta de funcionários estatais que não trabalham no esporte.

Dar à WADA o banco de dados do laboratório até dezembro de 2018 foi uma condição-chave para que a Rusada fosse reintegrada três meses antes quando uma expulsão anterior da comunidade antidoping foi levantada.

Os investigadores da WADA em Moscou acabaram recebendo os dados com um mês de atraso. Evidências de testes de doping e e-mails pareciam ter sido apagados ou alterados, e os denunciantes foram implicados.

A decisão permite que funcionários do governo russo, incluindo o presidente Vladimir Putin, participem de grandes eventos esportivos se convidados pelo chefe de Estado do país anfitrião.

Os investigadores da WADA foram a Moscou há dois anos para coletar o banco de dados e começar a verificar as provas que ajudariam os órgãos governamentais esportivos a processar as suspeitas de violações de doping que datam de vários anos.

Embora a Rússia fosse despojada de sediar campeonatos mundiais nos próximos dois anos, os eventos podem ser repreendidos. Os órgãos dirigentes foram aconselhados a encontrar um novo anfitrião “a menos que seja legal ou praticamente impossível fazê-lo”.

Fonte: AP News

Deixe uma resposta